28/06/2013 - Prefeito de São Félix do Araguaia em entrevista responde várias perguntas e fala da visisita de Marcelo Soler

O Repórter do Araguaia entrevistou o Prefeito de São Félix do Araguaia - MT José Antonio (Baú), onde abrangeu vários assuntos de interesse da população:

O Repórter do Araguaia: Prefeito Baú: recentemente o Presidente das Unidas do Vale do Araguaia - UNIVAR Marcelo Soler e o Diretor Administrativo Vinicius Guedes estiveram em reunião no seu gabinete na cidade de São Félix do Araguaia qual foi o principal motivo dessa visita?

Prefeito de São Félix do Araguaia, Baú: O Presidente das Unidas do Vale do Araguaia - UNIVAR Marcelo e o Diretor Administrativo Vinicius vieram conhecer a região e propor parceria para implantação da faculdade UNIVAR na cidade de São Félix para atender as cidades que fazem parte dessa micro-região composta por Alto Boa Vista, Serra Nova Dourada, Luciara, Novo Santo Antonio, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia.

O Repórter do Araguaia: Qual foi a proposta do prefeito Baú caso essa parceria venha acontecer?
 
Prefeito de São Félix do Araguaia, Baú: Propomos que cederíamos o prédio da Cooperativa de Ensino Integrado (COOERIN) que é de propriedade do município já foi feito reunião com a diretoria da COOPERIN que durante o dia continua a escola como já funciona e a noite funcionaria a faculdade UNIVAR caso firme a Parceria.

O Repórter do Araguaia: Com a visita de Marcelo Soler a São Félix do Araguaia e caso firme a parceria o prefeito pretende investir além da educação mais em que?

Prefeito de São Félix do Araguaia, Baú: Na saúde minha idéia é fazer de São Félix uma cidade acadêmica como fizeram com a cidade de Barra do Garças - MT. Com uma medicina avançada e preparar o hospital Regional para também dar assistência à população local e aos acadêmicos que vier estudar em São Félix. Contratando mais médicos especialistas em ortopedia e anestesia e mudar o patamar do atendimento na cidade de São Félix, estamos em contato com o Mistério da Saúde a FUNASA para reforçar o capital melhorando a saúde na cidade de São Félix. Espero que São Félix venha a ser um Pólo Regional para atender essas cidades da micro-região que precisa de uma educação de qualidade e reforçada. Estamos abertos para novas faculdades e não somente a UNIVAR.

O Repórter do Araguaia: Sabemos que para tudo isso acontecer o município precisa está adimplente para receber recurso tanto do estadual quanto federal, qual a real situação do município em relação as certidões estadual e municipal?  

Prefeito de São Félix do Araguaia, Baú: A cidade de São Félix encontrava-se com um ano de inadimplência em situação irregular desde julho de 2012 da ex-gestão do prefeito Filemon Limoeiro. “A partir de agora o município adimplente com suas certidões Estadual e Federal apto a receber recursos provenientes de convênios com o governo estadual e federal, o que é de fundamental importância para o desenvolvimento do município”, completou.


O Repórter do Araguaia: Quanto a Temporada de Praia de São Félix do Araguaia o que o senhor tem a dizer a população dessa Temporada de Praia 2013?

Prefeito de São Félix do Araguaia, Baú: Aproveitando essa oportunidade do site O Repórter do Araguaia convido a população do Brasil a vir participar que será uma grande Temporada de Praia que é uma tradição forte no Araguaia que acontecerá no mês de Julho não deixando de fora o Festival da Canção que também é tradição em época de Temporada de Praia onde recebe candidatos de vários estado do Brasil.


Veja a baixo o vídeo na íntegra o Prefeito Baú fazendo um convite a população do Brasil a vir participar dessa grandiosa Temporada de Praia 2013.



Vanessa Lima /O Repórter do Araguaia
 

Comentários

Data: 02/07/2013

De: Pai

Assunto: Cooperin

Que fique bem claro que o prédio onde funciona a cooperin não e do município, sim o terreno, tem um comodato que só termina em 2016. O prédio foi construído com apoio dos pais cooperados que inclusive fizeram empréstimo e varias outras ações para que pudesse construir ali uma escola, pois havia apenas ruínas de paredes, largadas ao descaso e ao tempo.

Data: 02/07/2013

De: PATRAO

Assunto: Re:Cooperin

PODE FALAR QUE A GRANA QUE ERA PRA CONSTRUIR AS SALAS DE AULA O BAU ROBOU A VERBA,POR ISSO QUE ELE FICOU 8 ANOS INELEGIVEL,ESSA E A VERDADE.

Data: 29/06/2013

De: eleitor

Assunto: univar

é uma idéia legal. mas será se isso acontece mesmo ? Pois na Gestão Anterior de seu Bau, ele teve a coragem de deixar o campus da UFMT ir pra Luciara dizendo que não tinha interesse por isto é que iria trazer uma universidade pra cá, ele saiu e eu não vi isto acontecer, digo mais isto não é conversa não pois eu e outros estudantes estivemos presente na reunião pra decir isto. eu vi. Tomara que isto aconteça desta vez.

Data: 02/07/2013

De: Dr Karlos

Assunto: Re:univar

não é por falta de recursos em S.F.A. olhe aqui + de 9 MILHOES em apenas 5 meses ou seja de janeiro a maio - http://cidadao.tce.mt.gov.br/home/controleSocialReceita

Data: 28/06/2013

De: Daniel Ortega

Assunto: pura cópia....

Infelizmente tive que retirar o "comentário", do site, para o desprazer do internauta, eu sei. Mas explico o motivo: não tem como ficar dando explicações para um anônimo que se passa por vários apelido e o texto tem sim alguns trechos de alguns texto, mas não queira dizer que o texto completo , o que dava margem para "pessoas intituláveis" postarem palavras de baixo calão. Infelizmente, lidamos também com bichos na rede que utilizam recursos de integração como forma de expressão de seus limites de "inteligência". Portanto, aos bons e honoráveis Leitores, desculpe-me por tentar melhorar o site e acabar dando brecha para estes inomináveis contaminarem. Vocês não merecem passar por isso neste site.
Lembramos a todos que seus endereços de IP e e-mails permanecerão arquivados e somente serão liberados mediante apresentação de ordem judicial. Aqui tratamos apenas do Guarani Futebol Clube.

Data: 28/06/2013

De: Maria

Assunto: Riva e Unemat..

Quinta, 23 de maio de 2013, 17h11

Tamanho do texto A- A+
COMPARTILHE


RECONHECIMENTO
Riva recebe agradecimento de diretores da Unemat
Diretoria da instituição entregou carta de agradecimento ao deputado estadual pela atuação em defesa da emenda constitucional aprovada este mês

KLEVERSON SOUZA /Assessoria de Gabinete

Maurício Barbant/ALMT

Reitor da Unemat entrega Moção de agradecimento para Deputado Riva
O reitor da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Adriano Silva, pró-reitores e dirigentes dos 11 campi entregaram nesta quarta-feira (22), carta de agradecimento ao deputado estadual José Riva (PSD) pela atuação na aprovação do Projeto de Emenda à Constituição (PEC) que garantiu o repasse de 2% da receita corrente líquida do Estado para a instituição de ensino.

Após reunião da diretoria da Unemat na semana passada, os 20 membros decidiram elaborar a carta que lembra a demonstração de confiança da Assmebleia Legislativa nos propósitos da instituição de ensino, que completa 35 anos de existência neste ano. “A emenda constitucional representa importante marco na história do ensino superior em Mato Grosso. Frutos serão conhecidos e efeitos sentidos por toda gente. Por isso, servimos desse instrumento para expressar gratidão ao deputado Riva, estendido aos demais parlamentares, nos colocando como parceiros. A comunidade da Unemat parabeniza o legislativo estadual pela contribuição ao processo de consolidação da universidade”, diz trecho do documento.

No último dia 8, os deputados estaduais aprovaram a PEC por unanimidade. Com isso, a Unemat terá aumento de 0,1% anualmente até 2018, quando será fixado o repasse de 2,5% da receita corrente líquida do Estado para a instituição. Neste ano, os recursos da universidade aumentam de R$ 168 milhões, previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) do ano passado, para aproximadamente R$ 205 milhões.

Com 16 mil alunos atualmente em 11 campi, a Unemat passará por um processo de expansão com a implantação de novas unidades educacionais e fortalecimento das já existentes, segundo o reitor. “É um ato simbólico para agradecer o ato heróico do deputado Riva e dos demais pares de vincular a receita do estado a um projeto de educação. Com esta ação, investiremos na infraestrutura laboratorial, aulas de campo, estrutura física, melhorar a produção cientifica e de capacitação dos nossos profissionais, além disso, já tivemos a autorização do concurso público que há algum tempo não ocorria para a contratação de professores e técnicos”, pontuou Adriano Silva.

Na visão do reitor, a atuação do deputado Riva foi primordial na intermediação junto aos colegas e Governo do Estado para aprovação da PEC.

De acordo com Riva, a emenda constitucional foi uma conquista para Mato Grosso e representa autonomia administrativa e financeira para a instituição de ensino. “Esta é uma luta antiga para garantir mais recursos para a universidade. Já tinha apresentado há muito tempo uma emenda juntamente com o então deputado estadual Eliene Lima (PSD), para garantir esta autonomia à Unemat, mas foi declarada inconstitucional por vício formal. Agora, trabalhamos fortemente pela aprovação da PEC, que é uma vitória para o ensino público, pois a instituição não precisará ficar de ‘pires na mão’, discutindo orçamento com o Governo do Estado”, argumentou o parlamentar, que agora defende a presença da instituição na baixada cuiabana, o que deve acontecer em 2014.

Mais informações
Assessoria de Gabinete
Fones: 3313-6568 / 9976-5887







Data: 29/06/2013

De: acorda Brasil

Assunto: Re:Riva e Unemat..

No Jornal da Band, Fábio Pannunzio divulga prisão de Janete Riva e mais 59 pessoas e relembra que José Riva é processado por corrupção e desvio de dinheiro público

Data: 29/06/2013

De: O GIGANTE ACORDOU

Assunto: Re:Riva e Unemat..

José Geraldo Riva, um político com mais de 100 processos
Presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso constrói uma biografia marcada pela habilidade em escapar da Justiça



Enviar
Imprimir
THIAGO HERDY
Publicado:
2/03/13 - 18h08
Atualizado:
2/03/13 - 18h09

José Geraldo Riva Maurício Barbant / ALMT
Réu em mais de uma centena de processos nos âmbitos cível e criminal em função de suspeita de participação no desvio de R$ 65,2 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa do Mato Grosso e outros crimes, José Geraldo Riva (PSD) sempre foi considerado um homem de sorte. Eleito deputado estadual em Mato Grosso pela primeira vez, em 1994, alterna há 18 anos o cargo de presidente e 1º secretário do Legislativo.
O alto posto serviu para articular, por exemplo, a aprovação de lei que tentava tirar da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá todos os processos por improbidade administrativa a que ele mesmo responde. Garantiu por um bom tempo a suplentes de deputados estaduais gabinete com quase duas dezenas de funcionários. Aprovou lei que autorizou a exploração de loteria por empresas privadas. Em dezembro, até o regimento interno da Casa foi alterado para que pudesse passar a ser conduzido continuamente à presidência do Legislativo.
Seja aliado ou adversário, no Mato Grosso todos veem no gesto o propósito de assumir em breve o governo do estado na condição de atual presidente da Assembleia. Isso ocorrerá caso o atual governador, Silval Barbosa (PMDB), deixe o posto para disputar uma vaga no Senado, e o vice, Chico Daltro (PSD), garanta vaga no Tribunal de Contas do Estado.
Mas, mesmo sem assumir o cargo de governador, a rede de influência construída pelo deputado ao longo dos anos já o torna o político mais habilidoso de Mato Grosso. Riva é unanimidade entre os parlamentares estaduais, que ignoram solenemente sua ficha judicial.
Com o governo estadual, ele mantém parceria estreita, cuida dos núcleos sistêmicos que concentram compras, indica postos-chave em secretarias e ainda garantiu um cargo para a mulher, Janete Riva, hoje secretária de Cultura e processada por crime ambiental.
O ex-chefe da Polícia Civil Paulo Rubens Vilela foi denunciado na Justiça Federal por quebra de segredo de Justiça e prevaricação ao avocar para si investigação de crime eleitoral em Campo Verde (MT) nas últimas eleições e beneficiar Riva. Vilela viajou em avião do parlamentar só para buscar documentos apreendidos pelo delegado local. Dois anos depois, na primeira eleição municipal do PSD, o deputado ajudaria a eleger 39 prefeitos no estado, o maior índice de Mato Grosso.
— José Riva funciona como um coração: bombeia sangue para todo o corpo. E em partes iguais — ironiza Gabriel Novais Neves, ex-reitor da Universidade Federal de Mato Grosso, ao ser perguntado sobre os motivos da força política de um parlamentar que enfrenta tantos problemas com a Justiça.
A maior parte desses problemas decorre do desvio de R$ 65,2 milhões da Assembleia entre 1999 e 2003, fraude realizada em parceria com João Arcanjo Ribeiro, “O Comendador”, principal líder do crime organizado e do jogo do bicho em Mato Grosso, atualmente detido em presídio federal.
Na condição de ordenadores de despesas da Assembleia, Riva e outro deputado, Humberto Bosaipo, usavam uma rede de empresas-fantasmas para forjar gastos com gráficas, serviços de limpeza e reparos, segundo o MP. Os cheques que pagavam as despesas eram “comprados” pela Confiança Factoring, empresa ligada a Arcanjo que liberava os recursos, em espécie, para os indicados pelos deputados.
Uma das empresas que receberam quase R$ 3 milhões tinha como objeto social a fabricação de calcinhas. Quando o escândalo veio à tona, o contrato já estava alterado para uma atividade bem distinta: locação de aviões. Em outro caso, a empresa contratada pertencia a Lucas Marques Almeida. Segundo documentos, ele assinou de próprio punho o contrato social da empresa e também rubricou os cheques descontados. Tudo certo, não fosse por um detalhe: Lucas morreu um mês antes da criação da empresa. Cheques da Assembleia foram usados até para comprar gado que foi entregue em fazendas de pessoas ligadas a Riva.
Todos os envolvidos viraram réus em 92 processos contra atos de improbidade ou reparação de danos ao Erário, cuja tramitação seguiu em ritmo lento até que caísse uma das principais bases da influência de Riva no Judiciário matogrossense: o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aposentou compulsoriamente dez magistrados envolvidos em um escândalo de desvio de recursos para a maçonaria, em 2010.
“Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas, as pérolas são produtos da dor”, discursou em 2004 o então presidente do TJMT, José Ferreira Leite, ao se referir ao “bombardeio de acusações” aos parlamentares. É um dos afastados atualmente do tribunal.
O Ministério Público não entendia como o parlamentar obtinha liminares que o reconduziam ao cargo de presidente da Assembleia, apesar de quatro condenações em primeira instância determinando o seu afastamento. O juiz responsável pelas condenações, Luís Aparecido Bertolucci, era alvo de processos com alegação de suspeição.
“O agravado está acintosamente a descumprir decisão judicial que já o afastou do exercício de funções na Mesa Diretora da Assembleia”, escreveu em 2012 o desembargador Luís Carlos Costa, responsável por condenar Riva por improbidade em segunda instância. Também por isso ele virou alvo de processos de suspeição do deputado, que o acusa de ser “avesso a políticos”, pelo fato de ter dispensado cumprimentos de autoridades ao fim de sua posse como desembargador.
Estimativas do Ministério Público apontam que desvios no início da década, em valores atualizados, podem chegar perto de meio bilhão de reais quando todos os processos forem julgados. Em 2010, ele declarou patrimônio de R$ 1,59 milhão, já bloqueado. Os promotores reconhecem se tratar de parte ínfima do que ele detém.
Sempre que solicitaram à Assembleia informações simples, como cópias de licitações realizadas, os promotores sempre receberam negativas. O mesmo ocorreu com os integrantes da ONG Moral, formada na esteira do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE). Eles buscaram a Justiça para obter dados sobre gasto com combustível.
Os números recebidos mostram que, apenas em 2010, ano em que foi comprado 1,7 milhão de litros de gasolina, seria possível rodar quase 14 milhões de quilômetros (se considerado um consumo médio de 8 km/l). Se cada veículo rodasse cem quilômetros por dia útil, seriam necessários quase 600 carros para consumir o que foi adquirido e pago a serviço de 24 deputados.
— Cobramos das instituições que elas funcionem. O movimento de controle social que se inicia tem possibilitado isso. Sem pressão, corre risco de tudo ir para a gaveta — lembra o advogado Bruno Boaventura, atual presidente da ONG, que encaminhou a denúncia ao MP.
Por meio de nota, Riva disse considerar as perguntas enviadas por O GLOBO “descabidas e recheadas de boatos” a seu respeito, por isso decidiu não responder. Sobre os gastos com combustível, argumentou que o estado tem municípios a até 1,5 mil quilômetros da capital. “Digo isso para mostrar o nosso gasto de combustível com veículos oficiais, pago integralmente pela Assembleia”, escreveu, recusando-se a informar quantos carros estão disponíveis aos parlamentares.
Nos últimos anos ele vem atribuindo as denúncias “à disputa política”. Já argumentou que trabalha muito e ganha pouco.
— Àqueles que tentam desconstruir a minha história política, digo apenas que um dia possam trilhar seus caminhos com suas próprias pernas, e não pisando sobre os que estão ao seu lado — diz.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/jose-geraldo-riva-um-politico-com-mais-de-100-processos-7726347#ixzz2Xc49ckcl
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Data: 29/06/2013

De: Xupa essa

Assunto: Re:pura cópia....

É uma vergonha trazerem mais uma instituição particular enquanto temos a ufmt e a unemat. O problema é que nao querem o ensino publico por aqui...
E isso tudo começou na era do canino, ops, canídea..... A apesar de me parecer bom de cama, não é tão legal assim. Queima Jeová .

Data: 29/06/2013

De: De Olho

Assunto: UNIVAR.

Com o Ensino Médio público que temos por aqui fica cada vez mais difícil conseguir aprovação nas Universidades Públicas, Basta ver o desempenho no vestibular da Unemat divulgado nesta semana. A maioria nem passou na primeira fase. Então a alternativa é as Universidades particulares.
Mas gostaria de lembrar ao Prefeito e Secretario de Educação que a UNIVAR (Associação Barra-garcense de Educação e Cultura) foi descredenciada do PROUNI.

1 | 2 >>

Novo comentário