28/09/2015 - INSS de MT vai na contramão de outros Estados e segue em greve

Apesar de diversas unidades do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no País terem aceitado a nova proposta do Governo Federal e encerrado a greve, servidores do órgão em Mato Grosso seguem com as atividades paralisadas.

Em greve desde 7 de julho, os servidores deverão debater sobre a nova proposta do Governo Federal, nesta segunda-feira (28). A assembleia está marcada para as 14h30.

A proposta aceita por diversas unidades do órgão no país foi correspondente a aumento salarial de 10,8%. O valor será pago em duas parcelas, sendo a primeira, em agosto do ano que vem e a segunda, em janeiro de 2017.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Seguridade, Trabalho e Previdência Social (Sindsprev-MT), Cleones Celestino Batista, o movimento grevista permanece até que ocorra a assembleia da categoria.

“Iremos realizar uma reunião na segunda-feira, para debatermos sobre o novo acordo proposto pelo Governo Federal. Pelo menos até esta data, a paralisação dos servidores continua”, contou.

O líder sindical não descartou que, após a reunião, a greve dos servidores, que possui mais de 100 dias, continue.

“Vamos analisar essa nova proposta do Governo, para decidirmos se iremos ou não continuar com a greve no Estado”, declarou.

Todas as agências do Estado estão paralisadas e somente parte do setor da gerência do órgão está em funcionamento.

No Estado, cerca de 80% dos servidores do órgão estão aderiram à greve. Conforme Cleones, o INSS de Mato Grosso possui aproximadamente 600 trabalhadores.

300 mil atendimentos cancelados

Até a última segunda-feira (21), cerca de 300 mil atendimentos do INSS não foram realizados, em razão da greve dos servidores do órgão. 

O presidente do Sindsprev-MT havia relatado que os atendimentos que deixaram de ser realizados incluem todos os setores da entidade.

“Levando em consideração a demanda diária do INSS, desde o início da greve, deixaram de ser realizados cerca de 300 mil atendimentos. Esse número inclui acesso ao balcão, telefonemas, perícias e todos os outros atendimentos”, disse.

Cleones afirmou que os atendimentos que deveriam ser realizados durante a paralisação deverão ser remarcados através do número telefônico 135.

“Quem não foi atendido, vai ter que reagendar, para quando os servidores voltarem ao trabalho”, disse.

Apesar de o INSS estar paralisado, os benefícios que foram concedidos anteriormente à paralisação continuam sendo concedidos normalmente. 

Além do reajuste salarial, a classe reivindica melhores condições de trabalho, incorporação da gratificação dos servidores, equiparação do salários dos servidores aposentados aos que estão em exercício e a realização de concurso público.

Outro lado

Em comunicado, o INSS declarou que os atendimentos que não forem realizados terão as datas remarcadas, a partir da Central 135. Para evitar prejuízo financeiro aos beneficiários, o órgão informou que, para a concessão do benefício, será considerada a data inicialmente agendada.

Um balanço realizado pelo órgão em 17 de setembro revelou que, em todo o país, foram agendadas 25.251 perícias médicas. Porém, em razão da greve em diversos Estados, somente 11.648 ações foram realizadas. Segundo divulgação, 8.677 perícias foram reagendadas. O percentual de realização do atendimento foi correspondente a 46,13%.

 

 

 

Vinícius Lemos 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário