29/04/2015 - AL vota corte de 1,1 mil DASs nesta quarta

A Assembleia Legislativa vota nesta quarta-feira pela manhã a reforma administrativa do governo do Estado, que reduz em 1.104 cargos comissionados, extingue outros 3,7 mil contratos temporários e muda estruturas de órgãos públicos. O objetivo é economizar R$ 146 milhões ao ano e próximo de R$ 600 milhões em quatro anos. 

O acordo foi costurado no Colégio de Líderes após a apresentação de um requerimento das lideranças partidárias que aprovaram regime de urgência urgentíssima na tramitação da matéria, o que permite a votação sem cumprir os prazos necessários e exigidos pelo Regimento Interno. O entendimento só foi possível porque o presidente da Assembleia, Guilherme Maluf (PSDB), suspendeu a sessão por 30 minutos e construiu no Colégio de Líderes a necessidade de se dar um voto de confiança ao governador Pedro Taques. “Nosso papel enquanto deputados é ter o feeling político de saber que a sociedade hipotecou apoio incondicional ao eleger o governador Pedro Taques. Devemos cobrar dele posturas endurecidas na consolidação de um Estado voltado ao cidadão e a políticas públicas essenciais como saúde de qualidade, educação de nível, segurança eficiente e um social mais abrangente”, defendeu o presidente da Assembleia, Guilherme Maluf. 

Já o líder do governo, Wilson Santos (PSDB), agradeceu pela compreensão de todos os deputados que emendaram ou promoveram alterações na proposta original e que terão a oportunidade de ajudar a “construir um novo Mato Grosso”. “Todos estão empenhados em ajudar o governador Pedro Taques a promover mudanças que assegurem um Estado mais eficiente, economicamente racional e voltado para o cidadão e diante do acordo de que não haverá novos pedidos de vista, as comissões de Constituição, Justiça e Redação e Especial vão se debruçar em cima das emendas e substitutivo integral apresentados pelos deputados para então podermos votar a matéria em definitivo na sessão”, disse o líder do governo, Wilson Santos (PSDB). 

O líder do PDT, deputado Zeca Viana admitiu que não vai pedir vista do projeto de Lei Complementar que trata da Reforma Administrativa, mas reapresentou na Comissão de Constituição, Justiça e Redação, as emendas apresentadas inicialmente e que foram rejeitadas na Comissão Especial. “Não sou contra a reforma administrativa, mas não concordo em dar superpoderes para o Chefe do Executivo, ainda mais quando se tem uma Assembleia, onde os deputados se demonstram cientes em atender aos apelos do chefe do Executivo”, cutucou o líder do PDT. 

Os deputados Dilmar Dal’Bosco, presidente da CCJR e Pedro Satélite, presidente da Comissão Especial ficaram de apresentar seus novos relatórios hoje pela manhã para serem apreciados pelo plenário. 

 

 

 

Marcos Lemos 
Diário De Cuiabá

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário