29/05/2016 - César Zílio confessa pedir propinas a mando de Silval Barbosa, mas ficava com 30%

29/05/2016 - César Zílio confessa pedir propinas a mando de Silval Barbosa, mas ficava com 30%

Em delação premiada já homologada pela justiça, o ex-secretário de Estado de Administração (SAD), Cézar Zílio, diz ter pedido propina a empresários a mando de Silval Barbosa, então governador. Segundo Zílio, o pedido era feito para saldar dívidas de campanha. O delator teve seu nome apontado na segunda fase das investigações da “Operação Sodoma”, acusado de participação em um esquema de lavagem de dinheiro avaliado em de R$ 13 milhões. 

Em delação realizada ao Ministério Público Estadual (MPE) no dia 21 de março, o ex-secretário afirma que assumiu o cargo em janeiro de 2010 e que 15 dias depois foi procurado por Silval para exigir propina de empresários. Segundo consta dos autos, Zílio “foi chamado pelo então Governador Silval da Cunha Barbosa, em reunião em que estavam presentes apenas Silval e o interrogado, onde disse que para o interrogado que havia uma empresa de Consignação que já tinha contrato em vigor com o governo, determinando que o interrogado procurasse o responsável pela empresa e dizer que ele precisava ‘ajudar no pagamento das despesas de campanha eleitoral’”. 

Desse modo, Zílio teria procurado o empresário Willians Paulo Mischur para cobrança da propina, dizendo que ele perderia contratos com o Estado se não os realizasse. Willians concordou em efetuar o pagamento, oferecendo R$ 300 mil. Zílio exigia R$ 700 mil. De modo que concordaram em R$ 500 mil, “valor mínimo” aceito pela “organização”. 

Ainda segundo Zílio, Silval Barbosa ficava constantemente cobrando a propina, perguntando se o ex-secretário havia "resolvido o problema" e se o dinheiro iria entrar, pois ele dizia que precisava pagar as contas, colocando Zílio ‘contra a parede’ para agilizar o recebimento das propinas.

O valor, R$ 500 mil, teria se tornado a média mensal dos pagamentos a serem efetuados. Segundo o próprio César Zílio confessa, Silval Barbosa ficava com 70% da quantia, e ele, com 30%. 

Operação Sodoma: 

Os fatos levantados pela Operação apontam que Silval Barbosa, no posto de líder de uma organização criminosa, moldou o Poder Executivo para que agentes públicos praticassem crimes de concussão, fraude a licitação, corrupção passiva, fraude processual, lavagem de dinheiro e extorsão. 

Além do ex-governador, foram denunciados pela Sodoma: o ex-prefeito de Várzea Grande, Wallace dos Santos Guimarães; os ex-secretários de Estado, Marcel de Cursi, Pedro Jamil Nadaf, José Jesus Nunes Cordeiro, César Roberto Zílio e Pedro Elias Domingues; o filho do ex-governador, Rodrigo da Cunha Barbosa; o ex-deputado estadual José Geraldo Riva; Silvio Cezar Correa Araújo, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, Karla Cecília de Oliveira, Tiago Vieira de Souza, Fábio Drumond Formiga, Bruno Sampaio Saldanha, Antonio Roni de Liz e Evandro Gustavo Pontes da Silva.

 

 

 

 

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário