29/07/2015 - Incêndio que matou três foi "acidente de trabalho", diz Polícia

A Polícia Judiciária Civil concluiu o inquérito policial da explosão em um gabinete da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, em março deste ano.

As investigações apontaram que a explosão, ocorrida no gabinete 114, que seria ocupado pelo deputado Gilmar fabris (PSD), foi em decorrência de acidente de trabalho, que resultou na morte de três pessoas e lesão em outra.

O inquérito policial foi encaminhado à 2ª Promotoria Criminal da Capital, nesta terça-feira (28)

O incêndio ocorreu no dia 13 de março, quando três funcionários de uma empresa terceirizada foram contratados para um "bico", no período noturno, para troca do carpete do gabinete.

Entre os dias 10 e 11, eles instalaram o carpete, mas tiveram que retirá-lo.

No momento da explosão, os trabalhadores faziam retirada da cola no chão do gabinete com uso de solvente, o que teria provocado a explosão. 

No acidente, morreram Luciano Henrique Perdiza, Wagner Nunes de Almeida, Jonathan Bruno Paes.

Laudo da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) apontou que o acidente foi provocado pela "concentração de vapor de solvente em ambiente sem ventilação, na presença de atrito e energia elétrica proveniente da enceradeira".

Diante do laudo e de informações colhidas junto a 20 pessoas, entre vítimas, sobrevivente, familiares de vítimas, funcionários da Assembleia e policiais que atenderam a ocorrência, a Polícia Civil concluiu "se tratar de acidente de trabalho decorrente do conjunto de equipamentos, material e ambiente inadequado".

O inquérito foi conduzido pelo delegado Antonio José Esperandio e a sua equipe, da 2ª Delegacia de Polícia do Carumbé.

Nenhuma pessoa foi responsabilizada.

 

 

Jad Laranjeira 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário