29/09/2014 - Taques eleva crítica e diz que Lúdio é "covarde" e "mentiroso"

O candidato a governador Pedro Taques (PDT) minimizou o fato de ter dado o tom acusatório do segundo debate realizado pela TV Record (Canal 10), na noite desta sexta-feira (26).

Já na primeira rodada de perguntas, Taques criticou algumas obras realizadas pelo atual governador Silval Barbosa (PMDB), durante questionamento ao também candidato Lúdio Cabral (PT) de possíveis 

“Eu não faço parte do atual Governo e tem candidato que esconde o governador debaixo do tapete. Sou candidato da oposição, porque não concordo, por exemplo, com as obras inacabadas da Copa. Ali não foram simples erros. Essas obras devem ser investigadas, porque quem roubou dinheiro público terá que devolver o que pertence a todos nós”, afirmou após o fim do debate.

O candidato do PDT ainda afirmou que Lúdio é “covarde” por colocar sua esposa, a advogada Samira Martins, nas discussões eleitorais.

“Na campanha de 2012 o candidato do PT mentiu a respeito da Virginia Mendes, esposa do Mauro Mendes, dizendo que ela não estava doente e que estaria fingindo. Depois ela fez uma operação de transplante de rins. Nesta eleição, ele está atacando a minha esposa”, disse.

“Não podemos trazer família para dentro de um debate político. Isso mostra a sua covardia, a sua mentira. Isso é o tipo de candidato que ele é. Não aceito que ofendam a minha família”, afirmou.

Taques ainda acusou Lúdio e Janete Riva (PSD), de combinarem perguntas entre si. 

“Nós todos vimos no debate a combinação de perguntas entre os candidatos do Governo. Ali havia mais ou menos como uma camarilha, uma combinação de perguntas entre eles. Enquanto nós focamos em falar sobre propostas”, disse.

Procuração

Assim que terminou o debate de ontem, Lúdio tentou entregar a Taques uma procuração que dá acesso a todos os seus dados fiscais e bancários.

Isso porque o candidato do PDT não compareceu a entrega do documento, que seria feito na manhã de sexta-feira (26), em frente ao 1° Tabelionato de Cuiabá, na Avenida Getúlio Vargas, na área central.

O assunto entrou em discussão após o coordenador-geral da campanha de Taques, o prefeito licenciado de Lucas do Rio Verde Otaviano Pivetta (PDT), afirmar que o ato de oferecer quebra de sigilo era um “teatro”, uma vez que ele não teria conseguido acessar os dados.

No entanto, Taques se negou a receber o documento do petista. 

À imprensa, ele apenas comentou que sua assessoria jurídica é que tomaria conhecimento da documentação.

 

 

Douglas Trielli 
Da Redação

Comentários

Data: 29/09/2014

De: ws

Assunto: mi

e mesmo...

Data: 29/09/2014

De: Ralf

Assunto: 12

AQUI É 12!!

DEIXA O LUDIO ESPERNIA ELE JA VIU QUE O 12 ACABOU COM ELE!!

Novo comentário