29/12/2012 - Idosa com acesso a fabrica de palmito em Chapada contrai botulismo e está em estado grave

 

Uma idosa de 72 anos está internada em um hospital de Tangará da Serra, no médio Norte de Mato Grosso,  apresentando sintomas de botulismo. Seu estado de saúde é grave, mas a equipe médica que a assiste  considera a possibilidade de cura bem provável. O diretor do Escritório Regional de Saúde, Rinaldo Cardoso, afirma que a idosa contraiu a doença em Chapada dos Guimarães. A informação repassada é que a mulher  tinha acesso a uma empresa de conserva de palmito e que inclusive consumia o alimento. 
 
“Algumas doenças são adquiridas devido a alguns hábitos. Manter uma conserva há mais de cinco dias e consumi - lá neste período, pode ser perigoso”, afirma. O ideal conforme o diretor é que conservas, como azeitona e palmito, por exemplo, sejam consumidas no prazo de no máximo três dias. “Passou esse tempo, o melhor é descartar independente se ainda não tiver sido consumida. A saúde é mais importante”, acrescenta Cardoso.
 
O botulismo é uma infecção bacteriana que provoca um quadro de intoxicação grave, causado pelas toxinas da Clostridium botulinun dos tipos A, B, E e, em raras ocasiões, pelo tipo F.
 
A principal forma de adquirir a doença é através da ingestão de seus esporos. Estes são encontrados no solo, em produtos agrícolas, como mel e defumados; e em peixes e outros organismos marinhos. Além disso, alimentos enlatados, em vidros ou embalados a vácuo, conservas e embutidos, também são locais em que podem ser encontrados esses esporos, principalmente se preparados em condições de higiene precárias. Isso porque tais ambientes costumam ser pobres em oxigênio, sendo um bom local para a incidência deste bacilo anaeróbico.
 
A manifestação dos sintomas pode variar de algumas horas para pouco mais de uma semana após a ingestão dos esporos. Tontura, visão dupla, boca seca, aversão à luz, queda da pálpebra e dificuldade para urinar e evacuar são os principais. Dependendo da quantidade de esporos ingeridos, dificuldades de falar, engolir e se locomover podem se manifestar; assim como paralisia dos músculos respiratórios, o que muitas vezes é fatal. Além disso, há o risco do paciente desenvolver pneumonia, o que também pode levar a óbito.
 
Quanto ao diagnóstico, ele é feito pela análise dos sintomas e do histórico alimentar dos dias anteriores. Exames específicos que acusam a presença da toxina no organismo – e/ou nos alimentos ingeridos suspeitos – podem ser requeridos, visando à confirmação do diagnóstico em casos em que esse se apresenta inconclusivo após os dois procedimentos citados serem realizados.
 
O tratamento é feito geralmente com a aplicação de soro antibotulínico e, não raras as vezes, é necessário que a pessoa acometida seja internada, para que fique em observação. Antibióticos não são eficazes para esse caso.
 
As medidas de prevenção são: Não adquirir nem ingerir alimentos cuja lata ou tampa se apresentem estufadas ou enferrujadas; - Não adquirir nem ingerir alimentos cujo conteúdo líquido se apresente turvo; - Não adquirir nem ingerir alimentos cujo vidro se apresente turvo; - Só consumir mel de procedência conhecida; - Ferver alimentos enlatados antes do consumo, principalmente o palmito, já que este é um dos alimentos mais relacionados aos casos de botulismo (a toxina é destruída à temperatura de 65 a 80º C por 30 minutos; ou à 100 º C por 5 minutos).
 
 
Lucélia Andrade e Asis Webio | de Tangará da Serra

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário