30/03/2015 - Bezerra descarta adesão do PMDB a Taques e rejeita barganha por cargos

O presidente do PMDB mato-grossense, deputado federal Carlos Bezerra, jogou um “balde de água fria” nos planos do deputado estadual Baiano Filho,  que articula com objetivo de levar a sigla à base do governador Pedro Taques (PDT) na Assembleia. Para o dirigente, os peemedebistas podem ajudar o governo do Estado sem fisiologismo. “Participar do Governo fica ruim eticamente e moralmente. A eleição acabou de acontecer e o PMDB apoiou o candidato derrotado. O povo reprova a aproximação”, avaliou em entrevista ao Rdnews

 

Para Bezerra, o PMDB precisa manter a independência sem fazer oposição raivosa ao governo do Estado. “Entendemos as dificuldades que o governador enfrenta e estamos dispostos a ajudar com cautela para não se desgastar. Queremos contribuir sem oportunismo nem barganha por cargos”, completou. 

 

 Bezerra também desautorizou Baiano Filho a assumir a postura governista publicamente. Conforme o dirigente, a adesão precisa ser autorizada pelo PMDB com respaldo da direção partidária e dos integrantes da bancada no Legislativo. “O apoio ao governador Pedro Taques precisa ser autorizado pela Executiva Estadual do PMDB. Não é prudente sair por ai se declarando governista sem sequer debater com o partido”, concluiu. 

 

Em entrevista ao Rdnews, Baiano Filho declarou que já se considera integrante da bancada governista na Assembleia. Além disso, revelou a articulação para convencer os correligionários, deputados estaduais  Silvano Amaral e Romoaldo Júnior,  a acompanhar a adesão ao grupo ligado ao Palácio Paiaguás. 

 

A aproximação de Baiano Filho  com o Governo foi sacramentada na eleição da Mesa Diretora, quando o peemedebista apoiou desde o início das articulações a chapa com Guilherme Maluf (PSD) na presidência e Ondanir Bortolini, o Nininho (PR), como primeiro-secretário. O apoio do parlamentar, que teria sido condicionado por cargos no Executivo na região do Araguaia, até gerou conflito com o deputado Zeca Viana (PDT), que rompeu com Taques e aderiu à oposição. No dia da posse da 18ª legislatura, houve hostilidades e troca de farpas entre Baiano e Zeca  incluindo palavras de baixo calão como “vagabundo”, “safado” e “sem-vergonha”.

 

Silvano Amaral defende que o PMDB faça aliança com Taques para defender os interesses de Mato Grosso porque as “mágoas da campanha” podem ser superadas através do diálogo. Já Romoaldo Júnior afirma que é “contra o radicalismo” e promete se posicionar a favor das iniciativas do Executivo que beneficiem a população do Estado.

 

 

Jacques Gosch

Comentários

Data: 30/03/2015

De: Mussum

Assunto: Bezerra L.... C.....

Esse Bezerra é o maoir câncer político de Mato Grosso.

O PMDB dele está acamabndo com São Félix
Primeiro Usley e escândalo do ITBI, depois João Abreu um das piores administrações.
Depois o Usley (PMDB) apoiou o Baú, esse desastre que está aí e eles não tão nem aí.
Daqui uns dias estarão pedindo voto para se perpetuarem no Poder.
Mas vamos ensinar eles Usley e companhia.

Novo comentário