30/05/2015 - CARTA DE CUIABÁ: Governadores assinam documento por mais recursos para a Amazônia Legal

Governadores e vice-governadores de oito Estados da Amazônia Legal assinaram, nesta sexta-feira (29), a Carta de Cuiabá, resultado do 10º Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, realizado na capital mato-grossense. No documento, que será encaminhado à Presidência da República, os estados solicitam medidas para “aumentar a captação de recursos para a redução de emissões do desmatamento e degradação” e “promover o desenvolvimento sustentável na Amazônia Legal”.

 Entre as medidas, os gestores solicitam que o Governo Federal apoie os estados na captação de recursos para a redução do desmatamento e que desenvolva programas de apoio e incentivo para a manutenção das áreas protegidas dos estados amazônicos. “Para que o desmatamento da Amazônia continue em baixos índices é imprescindível maior apoio financeiro para os Estados que têm destinado tempo e recursos próprios à proteção da Amazônia”, defendem os governadores na carta.

 Durante o Fórum, em que foram debatidos os principais eixos do documento, Pedro Taques afirmou que a união dos Estados da Amazônia é fundamental para conseguir o fortalecimento da política de desenvolvimento sustentável, com ações como a remuneração por serviços ambientais, investimentos em educação, saúde, energia e transporte e produção de conhecimento.

  “Se estivermos unidos vamos conseguir resultados muito melhores. Mato Grosso já tem diminuído sistematicamente o desmatamento na região Amazônica. Com esses esforços estamos mostrando ao mundo que se pode aliar aumento de produtividade e preservação ambiental”, ressaltou Taques durante o encontro no Palácio Paiaguás.

Entre os principais pontos de discussão estava a possibilidade de conseguir retorno financeiro com Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal (REDD +). Segundo o coordenador do Fórum Global dos Governadores para Clima e Floresta (GCF) no Brasil, Mariano Cenamo, o Brasil foi o país que mais reduziu as emissões de carbono no mundo, e por isso, os estados da Amazônia precisam explorar este potencial. Conforme dados da GCS Mato Grosso é o Estado brasileiro que receberia a maior parcela pelo empenho em reduzir os desmatamentos da Amazônia.

 O governador do Acre, Tião Viana, também defendeu a união entre os governadores e apontou esta estratégia como a melhor saída para que os Estado concretizem os objetivos desejados. Viana lembrou da importância de avançar as discussões sobre créditos de carbonos para a Amazônia. “É muito importante essa reunião nesse Estado que está mudando sua imagem e se afirmando como um Estado que produz com sustentabilidade. As discussões sobre a venda de carbono são muito importantes, pois estamos mostrando ao mundo uma nova moeda: o carbono”, afirmou.

 No Brasil, seis estados integram o GCF: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará e Tocantins. Entre os anos de 2006 e 2013, nos estados amazônicos, foi verificada uma redução do desmatamento de 8,6 milhões de hectares, correspondente a 4,2 bilhões de toneladas de gás carbônico que deixaram de ser emitidas para a atmosfera. Essa marca supera a redução de qualquer país desenvolvido ou em desenvolvimento, com ou sem metas obrigatórias.

Participaram do Fórum: governador do Acre, Tião Viana; governador do Amazonas, José Melo de Oliveira; governador do Tocantins, Marcelo Miranda; governadora de Roraima, Suely Campos; vice-governador do Pará, Zequinha Marinho; vice-governador de Rondônia, Daniel Pereira; vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão; além do governador de Mato Grosso, Pedro Taques.

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário