30/06/2012 - Polícia Civil prende oficial de Justiça por estupro de duas crianças na Capital

 

A Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica), da Polícia Judiciária Civil, prendeu no final da tarde de quinta-feira (28.06), o oficial de justiça, Vicente Siqueira Santos, 58, acusado de praticar estupros de vulnerável, ameaças, tortura e armazenar fotografias pornográficas de crianças e adolescentes em seu computador.
A prisão foi efetuada na residência do acusado, no bairro Poção, em Cuiabá. Na casa, os policiais da Deddica também cumpriram mandado de busca e apreensão.
 
A delegada titular da Deddica, Alexandra Fachone, disse que a denúncia foi feita pelos familiares de duas das vitimas, uma menina de 11 anos e um menino de 5 anos, há cerca de cerca de 15 dias. “As famílias desconfiavam que algo de ruim estivesse ocorrendo com as crianças devido à mudança de comportamentos”, disse a delegada.
 
As crianças foram levadas à Deddica e após acolhimento realizado pela equipe multidisciplinar, acabaram contando, que há aproximadamente um ano vinham sofrendo abusos sexuais e as outras formas de violências físicas e ameaças cometidas por Vicente,  ex-namorado da avó materna das crianças.
Segundo a delegada Alexandra, o trabalho realizado pelos profissionais da equipe multidisciplinar com as crianças foi complexo, em virtude dos traumas sofridos e do medo que sentem do agressor. “Foram necessários dois atendimentos, de diversas horas, em dois dias distintos para que as vítimas se sentissem confiantes e assim delatassem tudo que vivenciaram”, pontou.
 
Diante da gravidade dos fatos e do medo que as vítimas e seus familiares estavam sentindo de Vicente, que ainda intimidava e procurava manter contato com as crianças, a Polícia Civil representou pela prisão preventiva do acusado e busca e apreensão de objetos relacionados aos crimes apurados. As ordens foram expedidas 2ª Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, da Capital.
As crianças foram retiradas da casa e ficaram na companhia de parentes em outros locais, durante o período da investigação.
 
O acusado ao ser interrogado se reservou no direito constitucional de permanecer calado e somente se pronunciar em juízo. Ele foi encaminhado à Polinter, em Cuiabá.
O inquérito policial será finalizado e encaminhado à Justiça na próxima semana.
 
Assessoria/PJC-MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário