30/07/2011 - 09h:20 Rede de Sementes do Xingu promove oitavo encontro em São Félix do Araguaia

 

Durante três dias, os 90 coletores participantes trocaram experiências entre si e com especialistas, apresentaram suas técnicas de limpeza e beneficiamento de sementes, discutiram a legislação brasileira e refletiram sobre as alternativas para conquistar a autonomia da rede.

A Rede de Sementes do Xingu realizou seu 8º encontro em São Félix do Araguaia, nos dias 7, 8 e 9 de julho. Na fala de cada um dos 90 coletores que participaram do evento, estava a disposição para encontrar o melhor caminho para conquistar a autonomia da rede que chega a seu quarto ano com números expressivos: 300 coletores em 22 municípios e em nove aldeias indígenas que já entregaram 53 toneladas de sementes do cerrado e da floresta para projetos de restauração de áreas degradadas.

Algumas das principais questões relacionadas ao trabalho dos coletores, como os cuidados com o beneficiamento e armazenamento de sementes para a comercialização, a influência da legislação brasileira de sementes e a gestão de um negócio de base florestal, foram discutidas com a presença de especialistas, no primeiro dia do encontro.

Juliana Santilli, Promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e fundadora do Instituto Socioambiental (ISA), colocou em discussão a questão da valorização da agrobiodiversidade, que, segundo ela, está diretamente associada à diversidade cultural dos agricultores tradicionais. “Toda a diversidade de espécies agrícolas e agroflorestais que temos hoje no mundo existe porque os produtores estiveram sempre empenhados na seleção e no intercâmbio de espécies”.

Assim como exalta a importância da agricultura tradicional no manejo de espécies agrícolas, Juliana também defende a valorização do trabalho dos coletores e produtores de sementes para a manutenção da biodiversidade, já que as sementes nativas são destinadas à restauração de áreas degradadas. “Acho que deveria existir algum tipo de apoio ou subsídio público para estimular a produção de sementes nativas para a restauração de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Reservas Legais. O ideal seria criar uma política pública que viabilizasse isso”...

Outra questão importante para a profissionalização da rede que, hoje, já recebe encomendas de sementes de diversas regiões do País, é garantir a qualidade do seu produto. Os cuidados com a limpeza e beneficiamento das sementes nativas foram abordados pela engenheira florestal Fátima Pina, professora da UFSCar de Sorocaba. Fátima participou da criação das principais redes de sementes do País e ressalta a importância dos cuidados no manejo. “Cada semente tem sua particularidade, precisamos entender as diferenças entre elas para saber como limpar, beneficiar e armazenar corretamente cada espécie”.

Técnicas de manejo na prática

Durante uma oficina prática realizada no segundo dia do encontro, a professora deu espaço para que os coletores demonstrassem as técnicas de manejo que desenvolveram para facilitar o trabalho. “É incrível o que vocês já criaram aqui. O cortador de baru, as peneiras usadas para a limpeza e outros equipamentos desenvolvidos por vocês são ótimos exemplos de que é possível dinamizar o trabalho com as sementes”. Fátima também estimulou os coletores a calcularem o tempo gasto para beneficiar cada espécie, para que possam definir com maior precisão os valores das sementes comercializadas. “Precisamos levar em conta a distância percorrida para coletar e o tempo de beneficiamento de cada espécie para colocar o preço”.

Ronaldo Nogueira da Silva, coletor de Santa Cruz do Xingu, conta que sempre considerou seu investimento para coletar cada espécie. “Aprendi a calcular o tempo e o dinheiro que eu gasto para coletar e beneficiar cada espécie de semente. Acho importante que todo mundo faça isso, porque, às vezes, se a árvore está muito longe, não compensa coletar, podemos deixar para um colega que tem mais acesso àquela espécie”.

A busca da autonomia da rede é o principal desafio desta iniciativa de sucesso, que já gerou R$ 459 mil em renda direta para as famílias de coletores, através da venda de sementes. Atualmente, a rede é subsidiada pelas organizações que apóiam o trabalho, isto é, elas bancam os custos do transporte das sementes, dos encontros e da estrutura administrativa. O próximo passo para a consolidação da rede como um negócio independente e sustentável é definir um arranjo institucional em que as despesas com transporte, logística e comercialização das sementes não dependam mais de subsídio.

Caso de sucesso

O caminho para a institucionalização foi apontado pelos organizadores do encontro com um caso de sucesso: a FrutaSã, uma fábrica de polpa de frutas localizada no interior do Maranhão que compra frutos do Cerrado de índios e produtores familiares, promovendo a geração de renda para mais de 350 famílias. Mike Arruda, diretor do Centro de Trabalho Indigenista (CTI), organização não governamental criadora do projeto, explica que a fábrica paga pelas frutas até 30% acima do valor de mercado. “Criamos a FrutaSã com o objetivo de implementar uma alternativa de geração de renda aliada à conservação do Cerrado da região das Terras Indígenas do povo Timbira”.

Hoje, a FrutaSã é uma empresa que conta com uma equipe de campo e nove funcionários fixos na fábrica e que conseguiu isenção de ICMS para comercializar seus produtos oriundos da agricultura familiar. Mike ressalta a importância de se ter um bom plano de negócios para viabilizar a sustentabilidade do empreendimento. “Vejo que a Rede de Sementes do Xingu tem um enorme potencial, já que vocês contam com uma grande demanda. Mas é preciso que o plano de negócios tenha um bom estudo de viabilidade técnica, não só econômica”.

 

O grupo de coletores durante o encontro da Rede de Sementes do Xingu

Os coletores também apostam no potencial da rede. Um deles é José Pereira de Araújo, do município de Peixoto de Azevedo. Coletor há quatro anos, ele entrega uma média de 60 quilos de jatobá por ano. “Acho que agora é a hora da rede mostrar que a rede tem inteligência própria. Precisamos mostrar nosso conhecimento, não podemos ser alunos a vida toda”.

O jovem Ayakanukala Waurá é coletor da aldeia Piyulaga, do povo Waurá, no Parque Indígena do Xingu. Sua comunidade entrou recentemente para a rede e já tem uma grande lista de espécies para entregar. “Acredito que a rede tem tudo para dar certo. Minha comunidade está preocupada com a água, pois o rio está secando muito e está enchendo na hora errada. A gente quer entregar sementes para poder reflorestar a beira do rio para sempre ter água”.

Arão Pinheiro, do município de Canarana, é um dos primeiros coletores da rede. Ele também acredita que a rede pode ser autônoma e até arrisca um palpite para a institucionalização. “O ideal seria se a rede se tornasse uma empresa agregada a uma associação. Aí, os parceiros continuariam nos apoiando e nós continuaríamos prestando nosso serviço de coleta e beneficiamento de sementes”.

Apoiadores e parceiros

Atualmente, a Rede de Sementes do Xingu conta com diversos apoiadores que apostam no potencial do trabalho e financiam projetos que garantem sua sustentabilidade. Alguns desses parceiros participaram do encontro e explicaram a importância de apoiar uma iniciativa que gera renda a partir da valorização da floresta, como Erika Queiroz, do Fundo Vale. “O Fundo Vale sempre apoia projetos que têm potencial de ganhar escala e beneficiar o maior número possível de pessoas. Vemos este potencial se tornando realidade através da Rede de Sementes do Xingu”. A importância deste benefício social foi reforçado por Paula Ellinger, da Fundação Avina. “Temos aqui pelo menos 300 famílias envolvidas em um trabalho sustentável, que protege o Cerrado e a Amazônia. Temos muito orgulho de poder apoiar uma iniciativa como essa”.

Ingo Isernhagem, da Embrapa Agrosilvipastoril e Natalie Dunck, da Agropecuária Fazenda Brasil (AFB), trabalham diretamente em projetos que envolvem a rede. Natalie coordena os trabalhos de restauração florestal da AFB. “A Brasil tem um termo de ajustamento de conduta para a restauração e áreas degradadas, porém, se não tivéssemos as sementes da rede para comprar, não teríamos como cumpri-lo, pois o plantio com mudas é muito caro”. Ingo, que trabalha em um projeto para a restauração florestal de reservas legais e APPs com o Instituto Socioambiental (ISA), uma das organizações criadoras e animadoras da rede, explica a razão da parceria. “Estamos trabalhando juntos para que o meio ambiente deixe de ser visto como um empecilho e volte a fazer parte do cenário rural”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No mapa do ISA, a localização dos municípios onde há coleta de sementes e áreas em

processo de restauração florestal. Clique sobre ele para ampliar

A legislação de Sementes e Mudas Florestais foi colocada em discussão entre os coletores, com a participação de um representante da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Mato Grosso – MAPA, Marcelo Zanconato Pinto. Os coletores questionaram o excesso de burocracia e obrigações colocadas para o produtor de sementes. “É praticamente impossível cumprir todas essas exigências. Essa burocracia torna muito difícil o trabalho do coletor de sementes e do agricultor familiar”, afirmou Ambrósio Pereira Carvalho, do núcleo de coleta de Peixoto de Azevedo.

Para Fátima Pina, o questionamento dos coletores é compreensível. “Existe, realmente, uma exigência excessiva por documentos para o produtor de sementes. Toda essa burocracia é incompatível com a realidade de quem trabalha com sementes florestais para fins de restauração em pequena escala”.

Entre as exigências que poderiam cair, Fátima aponta o pagamento de taxas e o acompanhamento do trabalho por um responsável técnico. Atualmente, está sendo finalizada uma instrução normativa para regularizar a produção e comercialização de sementes florestais nativas e exóticas. Essa instrução, provavelmente, entrará em vigor em agosto.

Próximos Passos

Nicola da Costa, biólogo do ISA e animador da Rede de Sementes do Xingu, conta quais serão os próximos passos para a rede. “Vamos iniciar um trabalho de viabilidade técnica para somar ao plano de negócios e, assim, melhor embasar o rumo a ser tomado. Isso envolverá a melhoria da qualidade das sementes, bem como a adequação a nova instrução normativa para sementes florestais nativas e exóticas. Com isso, a rede buscará traçar seu caminho para a autonomia de uma forma mais segura”.

Outro encaminhamento decidido durante o encontro é o incentivo para uma maior inserção das sementes crioulas, também conhecidas como sementes da roça, da paixão ou da agrobiodiversidade, na rede. A proposta foi discutida em plenária por representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e da Operação Amazônia Nativa (OPAN), organizações apoiadoras da rede. Ao final do encontro, foi realizada uma grande troca de sementes crioulas e os coletores decidiram organizar novas feiras para a troca e comercialização dessas sementes entre os agricultores familiares.

 

História da rede



A demanda por sementes nativas para trabalhos de restauração realizados na Bacia do Rio Xingu, em Mato Grosso, no âmbito da Campanha Y Ikatu Xingu, ancorou a Rede de Sementes do Xingu, uma rede de desenvolvimento comunitário que envolve mais de 300 coletores que têm na coleta de sementes uma importante fonte de renda. A rede já destinou 53 toneladas de sementes para a recuperação de áreas degradadas, colaborando para a restauração de mais de dois mil hectares de cerrado e floresta, em pouco mais de quatro anos.

 

Escrito por Fernanda Belei / ISA   

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

OS COMENTÁRIOS É DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS INTERNAUTAS QUE O INSERIR. O REPÓRTER DO ARAGUAIA ONLINE RESERVA-SE O DIREITO DE NÃO PUBLICAR MENSAGENS COM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO, PUBLICIDADE, CALÚNIA, INJÚRIA, DIFAMAÇÃO OU QUALQUER CONDUTA QUE POSSA SER CONSIDERADA CRIMINOSA. OS COMENTÁRIOS QUE CONTER NOS ITENS CITADOS ACIMA SERÃO EXCLUÍDOS. TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO ARQUIVADOS ATRAVÉS DO IP E SERVIRÃO DE PROVAS CONTRA AQUELE QUE USAR ESTE MEIO DE COMUNICAÇÃO.