30/07/2016 - Pré-candidato a presidente, Maggi deve aproveitar eleições para "correr" municípios, mas vai evitar onde houver racha

30/07/2016 - Pré-candidato a presidente, Maggi deve aproveitar eleições para "correr" municípios, mas vai evitar onde houver racha

Como avant premiere da possível disputa pela Presidência da República, o ministro da Agricultura, senador Blairo Maggi (PP), vai aproveitar campanha eleitoral para visitar alguns municípios, nos finais de semana e fora do período de expediente. Já existem mais de 200 convites somente em Mato Grosso para que compareça em reuniões e comícios, além de gravar para o horário eleitoral gratuito do rádio e da TV. Existem também convites de municípios do Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro, entre outros.
 
Mesmo sem assumir publicamente, o seu grupo pretende utilizar as eleições municipais como laboratório de teste do prestígio de Blairo Maggi, para a possível disputa da Presidência da República, em 2018. Sem o presidente em exercício Michel Temer (PMDB) no páreo, os seguidores de Blairo acreditam piamente que ele pode chegar como principal opção governista, para a batalha pela conquista do Palácio do Planalto, dentro de dois anos.
 
Durante as ausências, quem toca o Mapa é o secretário executivo Eumar Novacki, atual ministro interino por causa da viagem de Maggi para os Estados Unidos, onde foi consolidar o novo acordo para exportação de carne brasileira. “É um processo natural. Toda vez que o ministro se ausentar, por algum motivo, o secretário executivo assume interinamente”, ponderou Novacki, nesta sexta-feira, após se reunir com a prefeito Lucimar Sacre de Campos (DEM), de Várzea Grande, no Palácio Júlio Domingos Fiote de Campos.
 
Dos palanques considerados certos, em Mato Grosso, Maggi deve estar nos três maiores colégios eleitorais: Cuiabá, com Mauro Mendes (PSB); Várzea Grande, com Lucimar Sacre de Campos (DEM); e Rondonópolis, ainda indefinido. Em cidades onde o PP estiver de um lado e o PR, do senador José Aparecido Cidinho Santos, de outro, a tendência é de que se omita.
 
Antes de se eleger senador, Blairo Maggi foi governador de Mato Grosso por quase oito anos e triplicou o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado – 2003-2010. Logo após a posse de Temer, migrou do PR para o PP, como conditio sine qua non para assumir o Ministério da Agricultura, na cota da bancada do Partido Progressista.
 
Rapidamente, ele convenceu o Michel Temer de que somente o agronegócio pode tirar o Brasil da maior crise econômica em mais de 100 anos, por sua agilidade. Eumar Novacki afirmou que o Mapa possui estudos que demonstram condições de aumentar as exportações de commodities em mais de 40% ou até 50% nos próximos anos.
 
O êxito da programação econômica da equipe do Mapa tende a ser a principal  plataforma de lançamento de uma eventual candidatura de Maggi à Presidência da República. A cúpula do PP já bateu o martelo em favor de Blairo e cada candidato a prefeito e vereador do partido, no Brasil, leve o nome do ministro da Agricultura até o eleitorado, neste ano.
 
Em 1994, depois do êxito do Plano Real lançado pelo então presidente Itamar Franco (in memorian), que estabilizou a economia e conteve a inflação  galopante, o ministro Fernando Henrique Cardoso foi lançado para a Presidência e se elegeu no primeiro turno. Em 1998, FHC foi reeleito também no primeiro turno.

Da Reportagem Local - Olhar Direto

Comentários

Data: 30/07/2016

De: Luis Gonzaga Domingues

Assunto: luisodomingues@hotmail.com

O indivíduo que votar no tal do Maggi no mínimo quer voltar ao período da escravidão com características da época colonial.

Novo comentário