30/09/2015 - Silval fala com advogado de Brasília sobre "recursos";

No dia 26 de agosto passado, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) teve uma ligação telefônica interceptada pelo Gaeco, do Ministério Público Estadual (MPE), com autorização da Justiça.

 

A conversa foi travada com um de seus advogados, que atua em Brasília, às 20hs07.

 

Naquele dia sua mulher, a ex-primeira-dama Roseli Barbosa, obteve uma liminar do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que a colocaria em liberdade. Ela estava detida em Cuiabá.

 

"Aquele outro negócio deu tudo certo, viu meu amigo", diz o advogado, supostamente se referindo à decisão do STJ.

 

"Ah, muito obrigado, tô sabendo já aqui", responde Silval.

 

Em outro trecho, o advogado fala em "recursos".

 

"A gente precisa ver aqueles outros recursos que nós vimos ontem, tá bom?", diz o advogado.

 

 "Pois é, mas daí tem que providenciar pra gente encaminhar", responde Silval.

 

Percebendo que Silval poderia falar algo comprometedor, relacionado eventualmente a dinheiro, o advogado "corta" o ex-governador.

 

E emenda: "A procuração, né?", dando a entender que eles falavam de recurso de ordem jurídica.

 

No diálogo, Silval diz que não poderá ir a Brasília, pois terá que organizar os detalhes para a soltura de sua mulher.

 

Prisão

 

A ex-primeira-dama foi presa no dia 20 de agosto passado, em São Paulo, por agentes do Gaeco.

 

Ela é um dos réus em ação na Justiça, acusada de participar de um suposto esquema que teria desviado R$ 2,8 milhões dos cofres da Setas (Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social), entre os anos de 2012 e 2014.

 

Na madrugada do último dia 21 de agosto, ela deu entrada no  Presídio Feminino Ana Maria Couto May, em Cuiabá.

 

Ela foi transferida do presídio para o comando do Corpo de Bombeiros, na Capital, no dia 22, por meio de autorização judicial.

 

No dia 26 de agosto, ela foi beneficiada por uma decisão liminar do ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do STJ, e colocada em liberdade no dia seguinte.

 

 

 

Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário