30/11/2013 - Com baixo fluxo de carros, pedágios de MT não atraem investidores

O governo do Estado está com dificuldades de encontrar empresas interessadas em tocar obras para implantar novos pedágios em Mato Grosso. Segundo o presidente da MT PAR César Zilio (PR), o fluxo de veículos nas rodovias estaduais não é suficiente para despertar o interesse de se responsabilizar pelos trechos por parte das empresas. Ele conta que nas BRs, o número de veículos que trafegam é maior, mas o governo só pode fazer concessão das MTs.

Com isso, se continuar assim, as rodovias continuaram sem pontos de cobrança. “Temos que achar mecanismo para atrair investidores, como o Estado participando e fazendo obras de melhoria para que esses investimentos não sejam elevados e que eles (empresários) possam ter esse retorno para fazer a medição entre investimento e retorno financeiro”, avalia Zílio.

O presidente, contudo, não soube informar quantos veículos são necessários para que a implantação do pedágio seja viável. Ele aponta que para isso é preciso fazer um estudo complexo, com projeto sobre o custo do investimento e período cronológico. As empresas, todavia, não têm interesse nem em fazer a pesquisa.

Entre os pedágios que já existem já foram registrados problemas. Em Rondonópolis, a concessionária Morro de Mesa, que detém a concessão da rodovia MT-130 – que liga Rondonópolis a Primavera do Leste - estaria cobrando pedágio na região indevidamente e arrecadou, desde o começo das operações no local, em outubro de 2012, mais de R$ 8 milhões. O valor cobrado é mais alto que o contratado por edital.

 

Valérya Próspero

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário