30/11/2013 - Filho de desembargador é apontado como auxiliar direto de João Emanuel em suposto esquema

Evandro Viana Stábile, filho do desembargador afastado Evandro Stábile, é investigado pelo Grupo de Atuação no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por participação no suposto esquema de fraude em licitações da Câmara de Cuiabá e falsificação de documento público.

“A análise dos elementos até agora coligidos permite que se perceba sinais de que este grupo tem JOÃO EMANUEL MOREIRA LIMA como seu líder e como auxiliares diretos os suspeitos EVANDRO VIANNA STÁBILE, AMARILDO DOS SANTOS, MARCELO DE ALMEIDA RIBEIRO e ANDRÉ LUIZ GUERRA SANTOS”, diz trecho da cautelar que requereu os sete mandados de busca e apreensão e também afastamento do vereador João Emanuel da presidência da Câmara.

Leia mais

MP acusa João Emanuel de dar terreno que não era seu para agiota e fraudar licitação de R$ 1,6 milhão

Evandro Filho, que trabalhava como assessor parlamentar na Assembleia Legislatova de Mato Grosso (AL-MT), é um dos alvos da “Operação Aprendiz”, deflagrada pelo Gaeco na quinta-feira (28). 

O filho do desembargador também foi citado no depoimento do policial civil Wilton Brandi Hohlenwerger Junior. O agente  acusou o jovem de participar de esquema de falsificação de documentos para grilagem de terras.  O depoente relatou que "pessoas ligadas a João Emanuel, dentre eles o filho do desembargador, teriam falsificado uma procuração e vendido, por meio desse documento falso, os dois terrenos da empresária da gráfica para Caio". 

Veja aqui o trecho do depoimento do policial prestado ao MPE em que cita Evandro Stábile:


O MP apurou que no dia 4 de outubro deste ano, o agiota Caio César, acompanhado de alguns seguranças, do assessor de João Emanuel, Amarildo dos Santos e Evandro Vianna Stábile, ex assessor da Assembleia Legislativa, dirigiu-se até a empresa Neox Visual, de propriedade de Pablo Noberto Dutra Caires, exigindo-lhe a posse dos terrenos. 

Teria sido nessa oportunidade que Pablo descobriu que os terrenos pertencentes a ele e sua mãe haviam sido de forma fraudulenta repassados a Caio César. Pablo teria garantido que não havia assinado qualquer procuração outorgando poderes a alguém no sentido de finalizar a alienação dos mesmos.

O pai de Evandro, o desembargador Evandro Stábile, é acusado de ser o principal articulador de um esquema de venda de sentenças em Mato Grosso. Ele está afastado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) onde tramita ação.

 

Katiana Pereira

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário