31/03/2012 - Mais de 10 mil filhotes de tartarugas são soltos no Rio Araguaia

 

Cerca de 10 mil filhotes de tartarugas foram soltos em praias de água doce na região do Araguaia, através de um projeto de proteção ambiental realizado no nordeste de Mato Grosso. O trabalho de manejo e repovoamento das colônias das espécies é feito na tentativa de evitar o contrabando da carne das tartarugas, utilizada tanto para consumo e também para produção de cosméticos.

 

O projeto 'Amigos da natureza' começou em 2010 e trabalha com a coleta dos ovos das tartarugas para serem monitorados por pessoas voluntárias autorizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) com apoio do governo do estado.

Inicialmente feito na região da cidade de Luciara, a 1.180 quilômetros de Cuiabá, o projeto se estendeu para os municípios de Santa Terezinha, Novo Santo Antônio, São Félix do Araguaia e Porto Alegre do Norte...

 

Em entrevista do G1, o biólogo e coordenador do projeto, Francisco Assis Ribeiro Sousa, explicou que o trabalho é feito na região do Araguaia que envolve o Rio das Mortes, Rio Tapirapé e Rio Araguaia. “Coletamos os ovos antes do período da desova e fazemos a transferência deles. Fazemos um monitoramento das áreas até o nascimento para que consigam [tartarugas] sobreviver longe dos predadores e caçadores”, explicou.

A última soltura ocorreu no começo deste mês com 10 mil tartaruguinhas devolvidas às praias do Rio Araguaia, no município de Santa Terezinha, a 1.329 quilômetros da capital do estado.

 

Contrabando 

Ainda segundo Assis, as espécies protegidas são a Tartaruga da Amazônia (Podocnemis expansa) e a Tracajá (Podocnemis unifilis). Além do manejo dos filhotes, o projeto ainda prevê ações de conscientização de pescadores e ribeirinhos para ajudarem na preservação das tartarugas.

 

“Existe o contrabando da carne de tartaruga para outras regiões do Brasil. As pessoas vem pra cá, se instalam em pousadas e capturam as tartarugas. Elas retiram a gordura do animal e transforma em linguiça para poder contrabandear para as outras regiões do país”, eressaltou o biólogo.

A carne retirada das tartarugas é rica em proteína, apreciada por pessoas que consideram um prato saboroso. O segundo problema é o contrabando da gordura das tartarugas, utilizada para uso em cosmético e fins medicinais. Culturalmente, populações ribeirinhas e indígenas consumiam a carne. Em época de desova, milhares de ovos são esmagados e deixados ao sol, dentro de canoas para poder extrair a gordura.

 

“Se não tiver um trabalho para salvar a espécie e conscientização das populações ribeirinhas as tartarugas não vão sobreviver”, enfatizou Assis, que espera realizar a soltura de 20 mil filhotes ainda neste ano.

O índice de natalidade das tartarugas, de forma natural, é de 99% com sobrevivência que gira em torno de 2 a 4%. Com o projeto, o índice de sobrevivência é de 60% em média. No mesmo projeto as equipes voluntárias fazem treinamento e capacitação de pescadores para a piscicultura da espécie pirarucu, em épocas de seca nos rios de Mato Grosso.

 
Escrito por G1 MT

Comentários

Data: 05/04/2012

De: Biológo Paulo Roberto (beto)

Assunto: Conciêntizacão Ambiental

Quero parabenizar o Assis por esse brilhante projeto, conheço de longas data a luta dele por essa questão ambiental. A nossa região precisa de pessoas assim que lute pela a questão ambiental ainda mais por se tratar de uma região rica em biodiversidade, é hora de pensamos no futuro pois a meio ambiente pede socorro para isso devemos deixar de lado a questão cultural e passamos a pensar na conciêntização ambiental onde pequenos gestos fazem grande importância para a natureza.

Data: 04/04/2012

De: Técnica da Educação

Assunto: Tartaruga do Araguaia

Parabéns Chico de Assis, espero que este trabalho seja continuo. Sabemos que este trabalho também foi feito pela FUNAI, mais depois da restruturação do Órgão ele foi desativado.

Data: 31/03/2012

De: EU

Assunto: fiscal

tem que fiscalizar pois o que mais contemplamos e o muitas e muitas tartaruguinhas asadas.

Novo comentário