31/03/2015 - Deputada acusa Taques de "manobra" para obter apoio na AL

A deputada estadual Janaina Riva (PSD) afirmou que o governador Pedro Taques (PDT), por meio de uma “manobra”, de distribuição de cargos, conseguiu garantir o apoio maciço da Assembleia Legislativa à sua gestão. 

“Sabiamente, o Governo conseguiu fazer uma manobra que eu nunca vi nos governos anteriores. Desta forma, ele garantiu não só a governabilidade, mas também o apoio maciço da Assembleia”, afirmou ela, durante entrevista à Rádio CBN, na manhã desta segunda-feira (30). 

Segundo a parlamentar, a distribuição de cargos no Executivo Estadual é uma forma de o Governo ter os deputados “nas mãos”. 

Ela disse que cada parlamentar da base teria sido contemplado com 15 indicações para cargos comissionados.

“Eu ouvi falar que foram oferecidos cargos a todos os deputados da base. É legal? Sim. Agora se é moral, eu já não sei dizer. Quando você tem uma relação dessas, você fica com a faca no pescoço. Todas as votações que existirem na Assembleia ficarão sob suspeita aos olhos da população. Como isso pode ser isento?”, questionou. 

A parlamentar alegou que é contra a distribuição de cargos no governo para deputados estaduais. 

“Sou totalmente contra. Deputado tem que ter cargo na Assembleia. Temos a estrutura de Assembleia e se nos limitássemos ao que temos e que é nosso por direito, estaríamos em uma condição melhor no Estado”, disse. 

“Aí tem gente que diz: ‘Mas seu pai já fez muito isso’. Não é porque meu pai já viveu isso que eu tenha que concordar. Acredito que o Estado tem muitos funcionários de carreira e que o Governo não precisa fazer nomeação de deputado”, completou. 

“Ele usa tudo que pode”

Segundo a deputada, as articulações em torno da composição das comissões permanentes da Assembleia também seriam uma das “manobras” realizadas pelo Governo. 

“É uma tática que ele (Pedro Taques) tem e ele usa de tudo que pode. Quando é que você viu um governador fazer todas as comissões da Casa? A oposição não teve condição de fazer presidências”, disse ela. 

Janaina voltou a afirmar que, em reuniões realizadas entre os parlamentares, foi dito, inclusive, que Taques não abriria mão de que as presidências das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e a de Fiscalização Orçamentária CFAEO – consideradas as mais importantes – fossem ocupadas por membros da base aliada. 

“Eu mesma consegui presidir a Comissão de Direitos Humanos porque resolveram encontrar uma maneira de não me deixarem de fora. No mais, eles tiraram todas as possibilidade de a oposição ocuparem as comissões. O que mais me indignou foi a situação fazer um ‘blocão’ de 16 para excluir uma minoria”, disse ela. 

“Isolada” 

Ainda durante a entrevista, a deputada afirmou que se sente isolada dentro da Assembleia e afirmou que, por conta das tratativas com o Governo, a oposição praticamente não existe na Casa. 

“Às vezes, sinto que sou a única parlamentar de oposição. Tem gente que se elegeu com discurso de oposição e que agora não é mais. Me sinto sozinha e acho que a tentativa deles é me isolar”, disse a pessedista. 

“Hoje eu não tenho mais noção de quantos são os deputados de oposição. Muitos ainda não se definiram, mas tenho certeza absoluta que já chega a 20 o número de situacionistas”, completou ela. 

 

 

Camila Ribeiro

 Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário