31/05/2016 - Silval desconfiava que César Zílio não estivesse repassando quantias "corretas" de propina, revela delator

31/05/2016 - Silval desconfiava que César Zílio não estivesse repassando quantias "corretas" de propina, revela delator

Em delação premiada o ex-secretário de Estado, Pedro Elias Domingues, réu na ação penal oriunda da “Operação Sodoma”, revela detalhes sobre seus diálogos com o ex-governador do Estado, Silval Barbosa. Em uma delas, no fim de 2013, o ex-governador revela estar desconfiado de César Zílio. 

 

A revelação consta da primeira delação do ex-secretário de Estado feita ao Ministério Público Estadual (MPE) em 31 de março. Segundo narra Pedro Elias, Silval Barbosa lhe pediu para ir até seu gabinete no Palácio, sendo que lá chegando conversou com Silval, tendo esse dito para o interrogando que estava em dúvida se César Zílio estaria repassando a parte correta da propina para ele”, consta da delação.

Momentos depois, em um fim de semana, Pedro Elias revela que buscou Willians Paulo Mischur para verificar os valores que estavam sendo pagos à título de propina para César Zílio. Entrando pelos fundos do Palácio, se dirigiram ao gabinete de Silval Barbosa, que os aguardava. Lá, os três conversaram e Willians confirmou o pagamento de R$ 500 mil ao mês para César Zílio, à título de propina. Devidamente comprovada a propina no valor ‘correto’, Silval disse que “estava tudo certo”. 

Operação Sodoma: 

Os fatos levantados pela Operação apontam que Silval Barbosa, no posto de líder de uma organização criminosa, moldou o Poder Executivo para que agentes públicos praticassem crimes de concussão, fraude a licitação, corrupção passiva, fraude processual, lavagem de dinheiro e extorsão. 

Além do ex-governador, foram denunciados pela Sodoma: o ex-prefeito de Várzea Grande, Wallace dos Santos Guimarães; os ex-secretários de Estado, Marcel de Cursi, Pedro Jamil Nadaf, José Jesus Nunes Cordeiro, César Roberto Zílio e Pedro Elias Domingues; o filho do ex-governador, Rodrigo da Cunha Barbosa; o ex-deputado estadual José Geraldo Riva; Silvio Cezar Correa Araújo, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, Karla Cecília de Oliveira, Tiago Vieira de Souza, Fábio Drumond Formiga, Bruno Sampaio Saldanha, Antonio Roni de Liz e Evandro Gustavo Pontes da Silva.

Prisão do réu:

Pedro Elias chegou a ser preso no dia 22 março. Dez dias depois, foi liberado, após se comprometer a colaborar. Conforme os autos, o ex-secretário exercia o “cargo” de "fiscal" de arrecadação de propinas para a suposta organização criminosa.

 

 

 

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário