31/10/2013 - Jornalismo sem credibilidade, mas principalmente sem conteúdo

Tenho avaliado há alguns dias como as coisas estão distorcidas, principalmente na região onde atuo e escolhi pra viver que é o Araguaia. Trabalho há mais de 17 anos na comunicação, já trabalhei em tv, jornal impresso, rádio, internet, agora recentemente estreando como assessoria de imprensa, e confesso que tenho saudades do tempo em que trabalhei ao lado de bons profissionais, de verdadeiros manuais de um bom jornalismo, pelo menos tinha-se um norte. Jornalistas que continuam sendo bons jornalistas, críticos e com aquela vontade louca de MUDAR O MUNDO.

 

Vejo hoje uma disputa de ego, entre “jornalistas”. Parece que o jornalista se tornou figura mais importante até mesmo do que a notícia ou a informação, e isso tem causado uma disseminação de profissionais não tão bons, pelo menos na minha visão poderiam ser melhores, e até eu me incluo na lista do PODERIA SER MELHOR. Sim, me incluo porque acredito que a decisão de melhorar a cada dia é que te faz viver, o comodismo é o que mata pra valer um bom profissional, uma boa esposa, um bom marido, enfim. Ai me pego pensando em ideologias, e me vem Cazuza... “Ideologia, eu quero uma pra viver”

Estou lendo “Jornalismo Diário”, um livro ótimo que me fez lembrar com saudades do bom tempo do jornalismo diário, onde perguntas básicas não poderiam deixar de serem respondidas no lide ou lead em inglês. Um jornalismo onde sem dar se quer um telefonema se faz praticamente uma reportagem completa, e aí quando você vai  ler, você se pergunta! Tá tudo bem, mas e ai? Qual a informação passada aqui? O que me interessa nisso? Quais são os dados? Estou dizendo de superficialidade, tudo SUPERFICIAL.

 

Sei lá talvez esteja hoje um pouco histérica, com relação ao assunto, mas é porque de verdade me deu uma vontade louca de voltar aos meus 18, e conviver um pouco mais com pessoas interessantes que dentro da minha profissão me ensinaram tanto, mas que eu confesso queria ter aprendido mais.

 

Jornalismo é uma arte para poucos, assim como o Poder.

 

E o Jornalismo figura bem neste contexto, estamos falando do 4 º Poder, o Legislativo, Executivo e Judiciário e depois a comunicação. Os veículos, os jornalistas, repórteres, enfim comunicadores.

 

Só queria entender de fato  com qual interesse cada um desses acima cumpre o seu papel! Dinheiro? Poder? Amor? Ideologia? Linha Editorial?

 

Uma espécie de tudo haver, com nada haver. Só quero deixar uma pergunta pra você que me acompanha, independente de ser ou não da comunicação. Qual é a sua ideologia? Qual é o seu prazer? O que te motiva?

 

E aos meus amigos da imprensa, alerta geral com que escrevem, falam, noticiam, e um alerta aos meus amigos que gostam de acompanhar meu trabalho, não acredite em tudo que ver, ouvir, assistir.

 

Nem tudo mundo é tão ruim, e nem todo mundo é tão bom.

 

Bom fim de tarde, que essa semana seja iluminada.

 

“Quem espera que a vida, seja feita de ilusão pode até ficar maluco ou morrer na solidão, mas é preciso ter cuidado pra mais tarde não sofrer, é preciso SABER VIVER” – Roberto Carlos

 

Camila Nalevaiko é jornalista em MT