31/10/2014 - Pilotos são recebidos por comitiva do PSD e falam sobre “renascimento”

Desaparecidos há quase 2 meses, o piloto Evandro Rodrigues de Abreu e o co-piloto Rodrigo Frais Agnelli desembarcaram, por volta das 13h45, no hangar da Aliança Táxi Aéreo, no Aeroporto Marechal Rondon. A dupla foi resgatada, nesta quinta (30) pela manhã, em Guajará Mirim (RO), na fronteira com a Bolívia.

 

Evandro e Rodrigo trabalhavam na campanha de Janete Riva (PSD) ao Governo, quando foram sequestrados por criminosos armados que roubaram a aeronave King Air, modelo C90GTI, de 2006, prefixo ATY, pertencente à social-democrata. A ação aconteceu em Pontes e Lacerda.

 

Ao desembarcarem no hangar, Evandro e Rodrigo foram recebidos por familiares e amigos que seguravam faixa com mensagens de boas-vindas. Uma comitiva de políticos do PSD, incluindo a família Riva, além de Aray Fonseca, Rui Prado e Gilmar Fabris, também participou da recepção aos pilotos.

 

Visivelmente emocionados e debilitados fisicamente, ambos atenderam os jornalistas por aproximadamente cinco minutos. O primeiro a falar foi Evandro, que relatou não encontrar palavras para descrever a experiência dos últimos 40 dias, por não saber o que aconteceria no final. “Agora, posso dizer que foi um renascimento”.

 

Segundo o piloto, os dois sequestradores não foram rudes em nenhum momento e só apontaram as armas na hora do roubo da aeronave. “Não fomos maltratados fisicamente nem verbalmente. Não sabemos como o avião ia ser utilizado. A demora foi por conta da negociação entre eles e os compradores. No final, eles se desentenderam e pegaram os três mecânicos do comprador como reféns e nos deixaram sair, porque estava ficando muito perigoso”, alega.

 

Após a liberação na terça (28), os dois caminharam por três horas até dormir na mata. Ontem (29), os pilotos prosseguiram das 3h até 11h30. Depois, chegaram a Guajará Mirim, onde foram resgatados. “A gente caminhou pelo mato, seguiu uma trilha que não sabia onde ia dar. Tínhamos medo de pedir informação, porque não conhecíamos a região. Poderia ser perigoso para nós”, explica Evandro.

 

Conforme ele, após o roubo em Pontes e Lacerda, os dois viajaram por cerca de uma hora em poder dos sequestradores até aterrissar na Bolívia. Na chegada, os criminosos se livraram das bagagens dos passageiros e ficaram somente com celulares e carteiras das vítimas, que foram devolvidos depois. “Nossas coisas foram todas devolvidas, mas a única coisa que a gente pensa nesta situação é na família e nos amigos. Computador e celular, você não lembra nada”.

 

A alimentação oferecida pelos bandidos, de acordo com Evandro, era razoável dentro das condições que estavam vivendo.  “Era comida normal. Tinha uma mulher que cozinhava. Teve dias que comemos somente arroz branco dentro de um copinho descartável”, relembra.

 

Recuperação da aeronave

O deputado estadual José Riva diz que, com o retorno de Evandro e Rodrigo, a prioridade agora é recuperar a aeronave que já sofreu modificações, como alteração da cor. O social-democrata também informa que a Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) foi acionada e está nas investigações. 

Riva também ressalta que o trabalho das polícias do Brasil e da Bolívia não surtiu efeito neste caso, tendo em vista que as vítimas só conseguiram escapar por um desentendimento entre os criminosos. “A Bolívia não colaborou em nada. O Brasil precisa rever a relação com este país. É muito toma lá e nada de dá cá”.

 

 

 

Jacques Gosch

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário