Avião da FAB já levou técnicos para aldeias Xavante de Campinápolis 14/01/2011

Um avião da FAB (Força Aérea Brasileira saiu de Brasília) por volta das 11h desta sexta-feira (14) e seguiu em direção a Campinápolis (MT). A bordo, nove técnicos da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), do Ministério da Saúde. Outros dois técnicos fizeram o mesmo trajeto em avião convencional. Esses são os primeiros integrantes da equipe multiprofissional formada pelo ministério para avaliar a situação do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Xavante.
 
Além dos 11 técnicos que viajaram hoje, mais cinco servidores da SESAI reforçarão o grupo a partir de segunda-feira. Será uma força tarefa permanente, com revezamento de equipes a cada 15 dias, para implementação do projeto que visa melhorias no serviço prestado à população indígena. “Essa ação já estava programada, pois a atenção à saúde do povo indígena Xavante é uma das prioridades do Ministério da Saúde neste momento”, afirma o secretário Especial de Saúde Indígena, Antônio Alves.
 
A equipe somente deixará Campinápolis (MT), quando a situação de emergência dos xavantes estiver resolvida. O trabalho em campo vai reforçar as medidas que estão sendo desenvolvidas pela equipe local. Elas devem implantar a autonomia do Dsei Xavante; estruturar ou reestruturar fisicamente e funcionalmente a sede do DSEI e os Pólos-Base (sede e suas unidades de saúde) do DSEI Xavante; estruturar funcionalmente a Casa de Saúde do Índio de Barra do Garças  (CASAI de Barra do Garças) e reestruturar as CASAI de Campinápolis e Nova Xavantina.

 

Também devem estabelecer e definir a rede de referência para os serviços de saúde de média e alta complexidade junto às Secretarias Municipais de Saúde e Estaduais para atender o povo indígena Xavante. Além de qualificar e organizar o processo de trabalho das Equipes Multidisciplinares de Saúde indígena para o enfrentamento dos principais agravos de morbidade e mortalidade que acometem o povo Xavante.
 
A equipe enviada ao Dsei Xavante vai contribuir na reorganização do controle social (conselhos distrital e locais de saúde) para que os indígenas acompanhem e fiscalizem de perto todo esse processo. Durante a presença do grupo na região, será ainda formado um grupo de trabalho Interinstitucional, que deve elaborar um programa conjunto de enfrentamento dos principais agravos em saúde que acometem o povo xavante. (Agência Saúde)


Sandra Carvalho 14/01/2011 - 14:16