Dom, 23 de Janeiro de 2011 22:15 Três policiais tentam roubar distribuidora e um morre

Um policial militar foi preso na manhã deste domingo (23) e outro morto com um tiro na cabeça. Os dois participaram, durante a madrugada, de uma tentativa de roubo frustrada a uma distribuidora de bebidas localizada às margens da Rodovia do Peixe, em Rondonópolis.

De acordo com o comandante do 5° Batalhão de Polícia Militar de Rondonópolis, major Moura, os três dos envolvidos no crime são policiais militares. Genival Ferreira de Souza, de 29 anos, há sete na PM, foi preso em flagrante e confessou sua participação e ainda apontou detalhes da ação e o nome de mais policiais participantes.

Julierne Franklin Anacleto, de 28 anos, foi encontrado morto na Avenida João XXIII, às margens do córrego Canivete, no bairro Jardim Luz D’Ayara. Ele foi ferido durante a tentativa de assalto, mas a Polícia acredita que posteriormente foi executado pela própria quadrilha, já que teria que ir a um hospital e o esquema seria descoberto.

Um terceiro policial militar envolvido no crime está foragido. Identificado apenas como soldado Duarte, ele foi apontado pelo soldado Ferreira em seu depoimento. Segundo o policial preso, Duarte teria feito um convite a ele para participar do assalto. Ferreira teria aceitado, pois assim iria quitar uma dívida com Duarte...

O assalto

Ao chegarem à distribuidora, por volta de 4h30, os assaltantes foram recebidos por dois vigilantes a tiros. De acordo com os vigias, o grupo era formado por cinco homens, todos encapuzados. Os vigias se esconderam em uma sala e ligaram para o 190. O soldado Franklin conseguiu fugir, mas os vigias acreditam que ele estava ferido. O soldado Ferreira foi preso ainda no local pela Polícia Militar.

Um pouco mais tarde, a PM recebeu via 190 a informação sobre um corpo jogado às margens do córrego Canivete. Conforme as primeiras investigações da Polícia Militar e Civil, o soldado pode ter sido executado, pois estava ferido com um tiro na cabeça, disparado a queima roupa de pistola calibre 380 ou 765.

A Polícia acredita ainda que sua execução aconteceu em outro local e o corpo foi deixado próximo ao córrego propositalmente, já que é circunscrição da Delegacia da Vila Operária que tem menos efetivo e apenas um investigador.

A Polícia também já sabe que um veículo Ranger foi utilizado na ação criminosa. Seu proprietário esteve nesta manhã no Centro Integrado de Segurança e Cidadania (Cisc) para registrar o furto da camionete.

No entanto, o homem permaneceu detido, pois segundo investigação anterior da Polícia Militar, ele teria emprestado o carro para um policial há cerca de uma semana. Já é de conhecimento também que o veículo era conduzido pelo soldado Duarte.

Investigação

Conforme o tenente coronel Evandro Roxo Medeiros, a PM não recebeu com surpresa a prisão do policial e o envolvimento de pelo menos mais dois no crime. Isso porque os soldados já eram investigados pela suspeita de praticarem outros roubos.

“A investigação vai continuar e vamos levantar os roubos mais recentes e analisar todas as possibilidades de participação dos policiais”, declarou. O tenente coronel pontuou ainda que essa é uma situação isolada dentro da corporação e que deve ser extinta. “Quando foram chamados, nossos policias atenderam a ocorrência normalmente e prenderam o bandido independente de ser policial. O trabalho da Polícia é prender bandidos, então prendemos mais um”, ressaltou.

No Cisc, houve manifestação de outros policiais militares. Até mesmo alguns que estavam de folga compareceram para demonstrar a indignação sobre o fato. Colegas de trabalho do policial morto disseram que não iriam ao velório de bandido.

Escrito por Dayane Pozzer / Olhar Direto