04/02/2018 - Mendes: sem isenção, MT teria menos receita e mais desemprego

04/02/2018 - Mendes: sem isenção, MT teria menos receita e mais desemprego

O governador Mauro Mendes (DEM) voltou a defender os incentivos fiscais concedidos a empresas em Mato Grosso. Segundo ele, a retirada dos benefícios pode levar a uma quebra de parte das indústrias instaladas no Estado.

 

Isso porque, de acordo com o democrata, a carga tributária sobre a energia elétrica e a logística do Estado são entraves para a produção.

 

“No Estado de Mato Grosso, se cortamos com os incentivos fiscais, grande parte das indústrias fecharia as portas. Aumentaria o desemprego, perderíamos receita. Porque produzir em Mato Grosso é muito mais caro”, afirmou em entrevista recente à Rádio Centro América FM.

 

“Porque aqui a energia elétrica tem um dos ICMS mais caros do Brasil. Aqui nós temos mais dificuldades de logística, de transporte... Então, para compensar isso e atrair novas indústrias para Mato Grosso, temos que reduzir um pouco a tributação”.

 

A redução de impostos, na visão de Mendes, faz com que a geração de empregos e o pagamento de tributos indiretos compensem a isenção fiscal.

 

“Para compensar isso, e atrair novas indústrias para Mato Grosso, temos que reduzir um pouco a tributação para que nós possamos ganhar empregos e o ICMS indireto através da geração de tantas outras cadeias que essas indústrias podem propiciar”, apontou.

  

Mauro alega que a isenção fiscal não é particularidade de Mato Grosso. E todos os estados, e inclusive a União, têm o incentivo fiscal como política de atração de novos empregos.

 

“O incentivo fiscal que existe em Mato Grosso não é diferente dos programas de incentivos fiscais que existem em outros estados brasileiros. O Governo Federal também tem um programa de incentivo fiscal. E praticamente em todo o mundo o capitalista existe incentivo fiscal”, concluiu. 

 

 

 

CÍNTIA BORGES 
DA REDAÇÃO

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário