15/04/2019 - Justiça solicita recambiamento de réu com urgência

15/04/2019 - Justiça solicita recambiamento de réu com urgência

Justiça solicita o recambiamento, com urgência, de réu acusado de participação na Chacina de Colniza (1.065 km noroeste de Cuiabá) para o município. Ronaldo Dalmoneck, conhecido como "Sula", 35, foi preso no dia 12 de janeiro deste ano pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Ibiúna (SP). Atualmente está no Centro de Detenção Provisória de Capela do Alto (SP).

 

O juiz Ricardo Frazon Menegucci  destaca que o juízo, atualmente responsável pela custódia do réu, e a Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo já autorizaram o recambiamento do denunciado para a Comarca de Colniza. "Por derradeiro, ressalto a urgência que o caso requer, uma vez que denunciado é acusado de ter participado na chacina ocorrida na Gleba Taquaraçu do Norte, Colniza-MT, no ano de 2017".

 

O processo da chacina foi desmembrado. Hoje são 4 ações correndo separadamente. Dalmoneck responde sozinho. A audiência de instrução e julgamento, quando as testemunhas de defesa e acusação serão ouvidas, assim como o réu, já está marcada para o dia 31 de maio. Por isso o pedido de urgência do magistrado.

 

Outros acusados

 

Esta semana o Ministério Público do Estado (MPE) pediu que outros dois acusados de participação na chacina sejam levados a júri popular. Trata-se de Valdelir João de Souza, o “Polaco Marceneiro”, apontado como o mandante da chacina, e Pedro Ramos Nogueira, o “Doca”, tido como o primeiro “guacheba” do “Polaco Marceneiro”.  

 

Agora o juiz abriu prazo para que a defesa dos 2 réus apresente as alegações finais e após isso o magistrado define se os 2 vão sentar no banco dos réus.

 

Ainda respondem pelos crimes  Paulo Neves Nogueira e Moisés Ferreira de Souza, o “Sargento Moisés” ou “Moisés da COE”.   O processo contra Paulo Neves também está próximo à sentença. Já o de Moisés a Justiça ainda aguarda cartas precatórias.

 

De acordo com o MPE, está em andamento um inquérito policial complementar, no qual se apura a participação de outras pessoas.    

 

A chacina

 

A chacina ocorreu no dia 19 de abril de e 2017, quando 9 pessoas foram brutalmente assassinadas na localidade conhecida como Taquaruçu do Norte.  

 

Conforme o MPE, os 5 denunciados integram um grupo de extermínio denominado “os encapuzados”, conhecidos na região como “guachebas”, ou matadores de aluguel, contratados com a finalidade de praticar ameaças e homicídios.  

 

No dia da chacina, Pedro, Paulo, Ronaldo e Moisés, a mando de Valdelir, foram até a Linha 15, munidos de armas de fogo e arma branca, onde executaram Francisco Chaves da Silva, Edson Alves Antunes, Izaul Brito dos Santos, Alto Aparecido Carlini, Sebastião Ferreira de Souza, Fábio Rodrigues dos Santos, Samuel Antonio da Cunha, Ezequias Satos de Oliveira e Valmir Rangel do Nascimento.  O grupo de extermínio percorreu aproximadamente 9 km – praticamente toda a extensão da Linha 15 - onde foram matando, com requintes de crueldade, todos os que encontraram pelo caminho.  

 

 

Andréia Fontes

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário